banner ads

"Universidades fantasmas" frustam o sonho do nível superior de cerca de 20 mil alagoanos




Foto: Foto :Reprodução /Google

Foto: Foto :Reprodução /Google

Cerca de 20 mil alagoanos estão prejudicados após descobrirem que foram vítimas de uma fraude conhecida como ‘Golpe do Diploma’.

A trama, que acontece a vários anos no Estado, foi tramada, conforme investigações do Ministério Público Estadual (MPE), por um grupo de estelionatários que montaram universidades fictícias iludindo as pessoas com cursos superiores que não eram reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC).

Após frequentarem e pagarem caro pelos cursos de graduação irregulares (valores entre R$ 120 até R$ 550 Reais) as vítimas tiveram o registro profissional negado pelos Conselhos de Classe. Era a partir desse momento que se descobria a trama.

O caso envolvendo universidades fantasmas instaladas em várias cidades do Sertão ao Agreste alagoano, a exemplo de Arapiraca, São Sebastião, Igreja Nova, Penedo e até em Maceió, foi tema de uma sessão especial da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE) na última quinta-feira (22).

A maioria dos parlamentares são favoráveis a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que deve investigar o caso.

Ainda durante a sessão, que foi acompanhada por diversas vítimas que relataram seus sonhos e frustrações, estiveram presentes representantes do Ministério Público Federal, OAB, Conselho Estadual de Educação, Conselhos Regionais de Serviço Social e Educação Física, Febracon, e o Movimento Diploma Legal.

Segundo o promotor de Justiça Lucas Sachsida, do MPE, após a descoberta dos crimes, os responsáveis pelas faculdades fantasmas fecharam os locais e reabriram em outras cidades, com outros nomes.

“Temos várias ações propostas de investigações em andamento, muitas delas, inclusive, bastante adiantadas. Trata-se de um problema da sociedade alagoana, já que são inúmeros diplomas cancelados pelo MEC. É preciso a responsabilização das pessoas que estão no comando destas fraudes, por isso é importante também que as pessoas que foram lesadas procurem o promotor natural de sua cidade”, disse o promotor.

Let’s block ads! (Why?)

Source: Correio Notícia


No Banner to display


No Banner to display