banner ads
Tilixi e Tixiliá – Lenda da fundação da cidade de Palmeira dos Índios (AL) download - 0 Comentários*Enter your name*The entered E-mail is invalid.*2 caracteres no mínimo.Do not change these fields following Ampliar Imagem

Tilixi e Tixiliá – Lenda da fundação da cidade de Palmeira dos Índios (AL)




Diz a lenda que no maciço da Serra da Boa Vista havia muitas palmeiras, sendo que uma delas se destacava das demais. E a história que se conta boca a boca é a seguinte:

À época a região era habitada por índios. Na tribo que habitava o local havia uma índia muito bonita, chamada Tixiliá “Beija-flor”. Ela havia sido pedida em casamento pelo cacique Etafé, “musculoso” mas ela amava mesmo o seu primo Tilixi “bonito”, jovem formoso, com quem gostava de passear, para ouvi-lo contar histórias bonitas do seu povo.

Durante uma festa na aldeia, quando segurava uma caneca com alua um tipo de bebida fermentada, pretendendo oferecê-la a Tilixi, foi por ele beijada, o que, pela tradição da tribo, se constituía uma profanação, pois a índia, virgem, era a eleita do cacique.

Tilixi, por seu ato impensado, sofreu um castigo cruel, foi condenado a morte por inanição.

Durante três dias padeceu horrivelmente, exposto ao sol, sem comer nem beber. Mesmo morrendo, Tilixi pronunciava o nome da amada. Ela, por sua vez, burilou a guarda da tribo e chegou até o local onde seu amor estava, munida de uma pequenina cruz, presenteada por Frei Domingos de São José.

Na oportunidade, ela plantou ao lado do bem amado a cruzinha, e, numa dramática prece, rogou ao Deus branco que dela brotasse depressa uma palmeira frondosa, à sombra da qual Tilixi pudesse amenizar seu sofrimento. No momento que fazia sua prece, a índia foi atingida no peito moreno por uma certeira flecha, disparada pelo cacique Etafé, que a espreitava por trás de uma folhagem, possesso de ciúmes. Mortalmente ferida, ela tombou sobre o corpo do amado e os dois, abraçados, exalaram, unidos, o último suspiro.

Dias depois, o Frei Domingos de São José foi ao local onde os dois morreram e verificou que no local da cruz nasceu uma frondosa Palmeira que se sobressaía das demais, simbolizando a união dos dois índios, através de um intenso amor.

A palmeira do milagre emprestou o nome topônimo da cidade que, no futuro, se desenvolveu em torno dela – Palmeira dos Índios.

Por causa da lenda, a cidade também é chamada de “Cidade do Amor”, visto estar edificada em lugar sagrado, onde um heróico amor foi vivido por dois jovens.

Palmeira dos Índios, alimentada então pela seiva do milagre, recebeu merecidamente o cognome de Princesa do Sertão.

 

Fonte: CALEIDOSCÓPIO ANÍMICO


No Banner to display


No Banner to display