Saúde de Monteirópolis se torna exemplo após parto raro




Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Um susto que gerou uma vida. A história do mais novo filho de Monteirópolis, no Sertão de Alagoas, é a comprovação que o nosso destino é escrito por Deus em linhas tortas.

A mãe de nosso protagonista, a sertaneja Rosilene Bezerra de Lima, 40, havia feito laqueadura há 14 anos e teoricamente, após ser mãe de quatro crianças, não poderia ter mais filhos. Mas entre a nossa teoria – pobres mortais – e as obras de Deus, o distanciamento é infinito.

Moradora da comunidade quilombola de Paus Pretos, Rosilene procurou a equipe do Programa de Saúde da Família, em Monteirópolis, preocupada com constantes enjoos e atraso da menstruação. A desconfiança era de menopausa. Desconfiada que algo a mais estava por vim, a mulher se adiantou e sob a orientação da equipe do PSF decidiu fazer alguns exames. E a surpresa foi chocante. Rosilene estava grávida.

Foram feitas três ultrassonografias e nelas acusavam falta de líquido e uma gestação de alto risco, fato que deixou médicos e a futura mamãe preocupados. Rapidamente, a equipe de saúde em Monteirópolis agilizou um outro exame, bem mais avançado, realizado em Arapiraca. E foi o resultado que causou um susto maior.

Rosilene já estava no sexto mês e o bebê estava fora do útero e seria necessário retira-lo em menos de 24 horas.

A intervenção da equipe de Monteirópolis foi essencial e a mamãe foi levada para Maceió, onde deu à luz a Pedro Felipe, um menino sadio, pesando 2,01kg.

Casos como de Rosilene e Felipe são raros. A criança foi gerada acima do útero e da bexiga, entre as alças do intestino. A incidência de parto abdominal varia entre 1 em cada 10 mil gestações.

A presteza de médicos e enfermeiros em Monteirópolis se tornou destaque na crônica médica do Nordeste. Foram esses profissionais que não desistiram de Rosilene e Felipe e hoje colhem as glórias da sapiência.

Let’s block ads! (Why?)

Source: Correio Notícia


No Banner to display


No Banner to display