banner ads
Governo incentiva novo polo de bordado em comunidade de Maceió a1d899a6a8bf3726c31f4d90c0c6419c_L - 0 Comentários*Enter your name*The entered E-mail is invalid.*2 caracteres no mínimo.Do not change these fields following Ampliar Imagem

Governo incentiva novo polo de bordado em comunidade de Maceió



728X90_ronda

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo de Alagoas (Sedetur) e da Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social (Seades), está atuando como incentivador de uma nova comunidade artesã em Maceió. A iniciativa consiste em conceder carteiras de artesãs para mulheres bordadeiras que tiveram o talento descoberto por um projeto criado pelo Centro de Recuperação e Educação Nutricional (Cren).

Aproximadamente cinquenta mulheres que moram em uma das áreas mais pobres e violentas da capital, o Conjunto Denisson Menezes e região, estão aptas a receber a carteira de artesã. O documento garante a oficialização de um ofício, inclusive concedendo incentivo para aquisição de matéria prima, redução de impostos, abertura de crédito e participação em feiras nacionais de artesanato, com apoio do Programa do Artesanato Brasileiro (PAB).

Bordadeiras tiveram seu talento descoberto graças ao trabalho social do Cren (Fotos: Felipe Brasil)

Visão social

A descoberta da vocação dessas mulheres só foi possível graças ao trabalho social do Cren, que no final de 2018 mobilizou as mães das crianças atendidas pela instituição para bordarem as camisas do projeto Arte que Nutre. O dinheiro arrecadado com a venda das camisas foi revertido para manutenção do Centro e para geração de renda para as próprias mães bordadeiras.

“Muitas chegaram aqui sem nem saber pegar em uma agulha. Passaram por oficina de bordado e descobriram o talento, que logo se tornou um trabalho, e hoje se reverte em renda. Tínhamos mulheres ociosas, sem perspectiva financeira e agora vemos um grupo que, muito mais do que descobrir uma vocação, é capaz de vislumbrar um futuro melhor”, disse a presidente do Cren, drª Telma Toledo.

Ana Angélica é uma das mães bordadeira do Cren, que recebeu a carteira de artesã emitida pela Sedetur. “Esse projeto foi muito importante para minha vida porque hoje eu tenho uma qualificação. Quando me cadastrei para ter a carteira, não imaginava que com ela eu teria tantos benefícios para abrir um negócio. Achava que era só um título. Agora sei que posso ir mais longe”, disse Ana.

Durante a entrega das primeiras carteiras, o representante da Sedetur, Everson Pontes Pereira, mobilizou as bordadeiras para o incentivo a outras mulheres da comunidade na entrega da documentação para retirada da carteira. Os documentos serão analisados pela Gerência de Artesanato e Design da secretaria, habilitada pelo Governo Federal para emissão da carteira.

Segundo o próprio Cren, outras mulheres da comunidade já estão trabalhando com o bordado singeleza, pedrarias e linhas. “O que foi descoberto foi um novo polo artesão em Maceió e vamos incentivar essa vocação, que vai gerar arte e renda para essa comunidade tão carente”, afirmou Everson.

Bordadeiras tiveram seu talento descoberto graças ao trabalho social do Cren (Fotos: Felipe Brasil)

Para manter o incentivo às mulheres bordadeiras, o Cren lançará, em breve, uma nova edição do projeto Arte que Nutre, que desta vez trabalhará com bordados em bolsas, baseados nas telas do artista Delson Uchôa. As bolsas serão bordadas com pedrarias e as oficinas estão sendo ministradas pela especialista em moda, Alina Amaral, responsável pela formação das mães bordadeiras do Centro.

Primeira Infância

O Cren é um dos parceiros do Programa Criança Alagoana (Cria), que desenvolve projetos voltados à primeira infância de Alagoas. As pesquisadoras do Centro atuam no combate às doenças nutricionais que acometem crianças menores de seis anos, levando orientação e mapeando as regiões onde se encontram problemas com a qualidade da alimentação. Em Maceió, no Conjunto Denisson Menezes, o Cren atende 105 crianças, em sistema semi-internato, que se encontram num quadro de desnutrição grave.

Fonte: AGÊNCIA ALAGOAS


No Banner to display


No Banner to display