banner ads

Celular ajuda polícia a descobrir novos crimes de jovem de Inhapi morto em Mata Grande



728X90_ronda




Fotos e vídeos encontrados no aparelho de telefone revelam práticas criminosas de Wellington Pereira dos Santos, conhecido como “Índio”, 23 – Foto: Cortesia/PC-AL

Fotos e vídeos encontrados no aparelho de telefone revelam práticas criminosas de Wellington Pereira dos Santos, conhecido como “Índio”, 23 – Foto: Cortesia/PC-AL

Inquéritos sobre homicídios, roubo e outros crimes foram concluídos pela Polícia Civil (PC/AL) após verificação do conteúdo encontrado no aparelho de telefone celular utilizado pelo jovem natural de Inhapi Wellington Pereira dos Santos, conhecido como “Índio”, 23, assassinado dentro do carro do advogado dele, na tarde da última quarta-feira (9), na Rua Dom Antônio Brandão, no centro da cidade de Mata Grande.

O levantamento das equipes de investigação do Centro Integrado de Segurança Pública de Mata Grande (Cisp) ajudou a esclarecer o roubo de um veículo ocorrido no dia 28 de dezembro de 2018, no Sítio Jurema, zona rural de Inhapi. A vítima, José Nivaldo Campos do Carmo, estava em casa, com a esposa, quando teve a residência invadida por dois criminosos armados, que renderam e amarraram os dois na sala.

Os assaltantes reviveram os móveis da moradia à procura de dinheiro e objetos valiosos, depois fugiram deixando as vítimas amarradas dentro de um dos quartos da casa. Eles levaram cerca de R$ 1.300,00 em dinheiro, dois aparelhos de telefone celular, uma moto Honda Bros, de cor preta e placa EXK – 1383/Mata Grande – AL, e uma picape Fiat Strada, de cor vermelha e placa NYL-4327/Inhapi – AL, com um paredão de som automotivo.

Proprietário chegou a divulgar roubo do veículos nas redes sociais (Foto: Divulgação/Rede social)

A investigação apontou o envolvimento de “Índio” no crime porque no celular dele foi recuperado um vídeo que mostra ele exibindo o paredão de som que estava na picape roubada. (Assista ao vídeo no final da matéria). No dia 3 deste mês o referido veículo foi encontrado abandonado em Paulo Afonso (BA), com placas e chassi adulterados.

As fotos e vídeos recuperados no celular do jovem mostram também alguns pacotes com um pó que pode ser entorpecente e ele empunhando armas de fogo, entre elas uma pistola .40, que, segundo a PC/AL, teria sido furtada da sede do Grupamento de Polícia Militar (GPM) de Inhapi e utilizada no assassinato de Carlos Alberto Silva, conhecido como “Cabeça”, 46, morto com vários tiros, no dia 19 de novembro de 2017, enquanto chegava em casa, na entrada da cidade.

A investigação policial aponta “Índio” como autor do referido assassinato e de outros crimes ocorridos recentemente em Inhapi. Ele teria participação nas mortes dos irmãos marchantes Raimundo Pereira da Silva e Damião, mortos a tiros em 22 de novembro e em 17 de dezembro de 2018, respectivamente. Além disso, ele também seria responsável pelo assassinato de um senhor, crime ocorrido no município de Canapi. A polícia suspeita de que ele tenha participação de vários assaltos, tráfico de drogas e mais de dez homicídios ocorridos na região.

Segundo levantamentos do Cisp, “Índio” já tinha passagens policiais por porte ilegal de arma de fogo e tentativa de homicídio, e o assassinato pode estar relacionado a acerto de contas ou queima de arquivo, inclusive no telefone dele existem áudios que reforçam a linha de investigação.

“O conteúdo encontrado no telefone do “Índio” foi muito importante para a elucidação de vários crimes ocorridos na região, como homicídios, roubos e tráfico de drogas. Os inquéritos instaurados serão concluídos, com a resolução dos casos. O material também ajudou a polícia a identificar alguns comparsas dos crimes praticados por “Índio”. Eles podem ser presos a qualquer momento”, informou ao Correio Notícia Jaeudson Ferreira, chefe de serviço do Cisp de Mata Grande.

O assassinato de “Índio”

“Índio” tinha acabado de prestar depoimento no Cisp, quando foi morto. Ele estava dentro do carro do advogado Wesley Júnior, quando foi atingido com um disparo de espingarda calibre 12. Gravemente ferido, o rapaz foi socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas morreu enquanto era transferido para um hospital.

O advogado, que estava conduzindo o carro no momento do atentado, ficou ferido apenas com estilhaços. Ele foi levado para o hospital da cidade, onde foi medicado e recebeu alta em seguida.

Assista ao vídeo:

[embedded content]

Let’s block ads! (Why?)

Source: Correio Notícia


No Banner to display


No Banner to display