banner ads
Bolsa da China fecha em alta após medidas para conter queda nas ações CH - 0 Comentários*Enter your name*The entered E-mail is invalid.*2 caracteres no mínimo.Do not change these fields following Ampliar Imagem

Bolsa da China fecha em alta após medidas para conter queda nas ações




As bolsas da Ásia fecharam o dia em alta nesta quinta-feira (9), um dia depois de fortes quedas. As altas acompanham o resultado da bolsa de Xangai, que subiu 5,79%, após o regulador do mercado chinês anunciar que acionistas com mais de 5% de participações não poderão vender ações nos próximos 6 meses.

Às 8h26 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão subia 1,63%, após chegar a cair 0,9% durante o pregão. O índice, que é refém frequente da volatilidade no mercado chinês, chegou ao menor nível em 17 meses no pregão da quarta-feira.

A decisão da China de vetar a venda de ações é para conter a queda nas ações, que já fura 3 semanas. “O mercado vê alguns sinais positivos hoje, mas está longe de chamá-los de uma vitória para a equipe de resgate já que mais de metade das empresas listadas não estão sendo  negociadas no mercado”, disse Du Changchun, analista da Northeast Securities em Xangai.

Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 0,60%, a 19.855 pontos.

Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 3,73%, a 24.392 pontos.

Em XANGAI, o índice SSE ganhou 5,79%, a 3.710 pontos.

Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,58%, a 2.027 pontos.

Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 0,69%, a 8.914 pontos.

Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,54%, a 3.267 pontos.

Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,03%, a 5.470 pontos.

As ações chinesas vem perdendo valor desde o mês passado. De junho até agora, a queda chega a 30%. Os dados da economia chinesa não têm sido muito positivos ultimamente, e isso vem gerando temor entre os investidores sobre a “saúde” do país. O PIB do primeiro trimestre, por exemplo, apesar de ter crescido 7% no primeiro trimestre, mostrou o pior ritmo em seis anos.

Na China, diferentemente dos mercados europeus ou dos Estados Unidos, 80% dos investidores são cidadãos, pessoas físicas. Muitos deles são inexperientes e seguem rumores ao tomar decisões. Assim, o mercado é mais vulnerável a reviravoltas repentinas, como num rebanho.

Outro lado da questão é que investidores de longo prazo estão investindo menos em ações porque muitos acumularam bons ganhos no último ano. O índice de Xangai, por exemplo, havia acumulado alta de 150% até junho.

Não se sabe, no entanto, o que provocou a forte onda de venda de ações que acentuou a queda das cotações nos últimos dias.

G1


No Banner to display


No Banner to display