A madrugada de um novo tempo images - 0 Comentários*Enter your name*The entered E-mail is invalid.*2 caracteres no mínimo.Do not change these fields following Ampliar Imagem

A madrugada de um novo tempo

A madrugada se vestiu de luzes e saiu a caminhar, para receber o dia. Um dia diferente.

Um dia em que a Humanidade comemora a entrada de um novo ano.

Sim, o tempo, em verdade, é somente a sucessão das coisas transitórias. Uma convenção.

Tivemos tantos calendários, ao longo das eras. O calendário maia, que se acredita datar do século VI a.C.

O calendário islâmico, criado em 633 depois do nascimento de Cristo, quando o profeta Maomé fugiu da cidade de Meca para Medina.

O calendário judaico, surgido na época do êxodo, por volta de 1447 antes de Jesus.

O calendário juliano, em homenagem ao imperador romano Caio Júlio César. Agosto era, então, o sexto mês do ano. Por isso chamado sextilis. A história da mudança vem de longe, do império romano.

Tem ingredientes de poder e de inveja. O imperador Otávio Augusto conquistou três vitórias nesse mês. Como auto-homenagem, nomeou-o com o próprio nome, Augustus.

Mas, havia um senão. Sextilis só tinha trinta dias. Julho, cujo nome reverencia Júlio César, tinha trinta e um. Para não ficar atrás, o imperador apoderou-se de um dia de outro mês. É por isso que julho e agosto são os únicos meses consecutivos com trinta e um dias.

Finalmente, o nosso atual calendário, o gregoriano, de origem europeia, que é o utilizado, oficialmente, pela maioria dos países.

Promulgado pelo papa Gregório XIII, substituiu o juliano, entrando em vigor em 15 de outubro de 1582, depois de cinco anos de estudos.

Isso nos dá uma pálida ideia de quanto o tempo é realmente uma convenção.

Contudo, para a grande maioria da Humanidade, que o adota, o dia 1º de janeiro assinala o início de um novo ciclo. Um ciclo de doze meses, basicamente com trezentos e sessenta e cinco dias.

Exceção única dos anos bissextos, que ocorrem a cada quatro anos, com o objetivo de manter o calendário anual ajustado com a translação da Terra e com os eventos relacionados às estações do ano.

De toda forma, o que importa é que esse novo início se reveste de muita comemoração.

É momento de se fazer propósitos para os próximos doze meses. Propósitos pessoais e coletivos.

É momento de se planejar coisas importantes para as nossas vidas: a colação de grau universitário, a entrada no mercado de trabalho, o casamento, a geração de um filho…

Ou um aniversário especial em nossas vidas. Aqueles que costumamos destacar, ainda e sempre por convenção social ou decisão pessoal: quinze anos, cinquenta anos, noventa anos.

Datas significativas.

Neste ano, que apenas esboça a sua presença, que está amanhecendo agora, nos ofertando o céu azul de novas possibilidades de progresso e crescimento, agradeçamos a Deus.

Agradeçamos pela vida, pela saúde, pelo lar, pelos familiares, pelos amigos. Pelo que tivermos. Mesmo que seja somente a presença dedicada de um cão.

Novo ano. Tempo de agradecer. Tempo de começar a executar o nosso novo plano de vida.

Um plano que contenha aquisição de títulos de nobreza, de melhoria pessoal, moral, intelectual.

Um plano que nos diga que, a partir de agora, colocaremos em prática a nossa mais especial qualidade: ser humano.

Humano, de humanidade, de amante da paz, da fraterna convivência, do auxílio solidário.

Ano Novo! Novo ano! Sejamos felizes.

Redação do Momento Espírita.
Em 1º.1.2021.


No Banner to display


No Banner to display